Meu Diário Eletrônico

A morte de Olavo de Carvalho

Olavo de Carvalho é pedra fundamental da extrema-direita brasileira.

Olavo de Carvalho morreu em consequência da Covid19. Talvez não unicamente, já que possuía outros problemas de saúde. Se tivesse se vacinado, talvez não tivesse morrido. Mas, assim são os negacionistas.

Olavo foi uma pessoa polêmica, e se, sobretudo se aproveitou do vácuo deixado pelo lulopetismo na direita brasileira.

Sim. O lulopetismo sempre dominou parte da imprensa brasileira, especialmente a imprensa comercial. E aí, Olavo foi ganhando espaço através dos seus cursos on-line, justamente indo de frente com os ideologismos do Partido dos Trabalhadores.

Com sua excelente retórica, combinado com a ausência de leitura de parte dos brasileiros, ele conquistou muitos. Com certeza, Olavo ajudou Bolsonaro a ganhar as eleições, em 2018, rivalizando com o PT.

Na minha leitura, Olavo de Carvalho foi uma mistura de extrema-direita clássico com oportunismo da vez. E navegou “bem” até a Pandemia da Covid19.

Como acontece com essas pessoas, elas acabam engolidas pela realidade. Para combater o vírus da Covid19 precisa-se da ciência, para traçar uma estratégia, seja para salvar vidas, seja para proteger a economia. Somente ideologia não resolve, nem palavrões, como Olavo de Carvalho gostava.

Para completar esse texto, mesmo que eu nunca concordasse com o Olavo, nunca se comemora a morte de ninguém. Isso é coisa de gente sem educação. Simples assim.

O BBB22 e a era digital

O programa sem fim no Brasil, mas lucrativo.

Como eu faço há anos, eu escrevo sobre o Big Brother Brasil. Continuo mantendo a minha opinião sobre o reality. É um programa de baixo custo de produção para a Globo, mas com os lucros milionários, principalmente para a emissora.

Coloca-se um grupo de pessoas em uma casa e cria-se várias situações, as chamadas provas, as vezes constrangedoras para ganhar audiência. E com certeza dá certo! Tanto assim que está no ar faz 22 anos.

Para a Globo, esse tipo de programa é muito mais barato do que a produção de uma novela ou seriado. Nesse caso, a produção exige o pagamento de atores, roteiristas e toda uma equipe de suporte. Diferente do BBB.

O Formato BBB

O formato “Big Brother” é inspirado no personagem do livro “1984” de George Orwell. O programa foi criado em 1999 por John de Mol, executivo da televisão holandesa, sócio da produtora Endemol.

A idéia de colocar um grupo de pessoas desconhecidas dentro de uma casa vigiada com câmeras 24 horas, virou febre na década do ano 2000. O programa estourou no mundo todo.

Aqui na Europa, esse tipo de programa está reservado para os canais privados. Também ganhou variações do tipo, casa com famosos, a casa que virou uma praia e por aí vai.

As primeiras versões do programa no Brasil, aqueles que participavam eram pessoas normais. Depois, virou uma espécie de trampolin para aqueles que queriam tentar a vida artística na Rede Globo. Com as redes sociais, o BBB se transformou em vitrine para as marcas. Chegamos na era do influenciadores digitais.

Por que no Brasil segue?

Uma das razões é o lucro que o programa traz para a Rede Globo com anunciantes e patrocinadores junto, com baixo custo de produção de novela, por não se tratar de um produção estilo, como eu escrevi no começo do texto.

Depois, com o processo de digitalização, os “brothers” começaram a surgir nas redes sociais. Uma vez na tela da Globo, o número de seguidores quadruplica e vira “potencial” garoto ou garota propaganda de marcas.

Nesse processo de digitalização, aprofundado com a Pandemia da Covid19, essa parceria de BBB e redes sociais se fundiu. Nesse momento, a Rede Globo anunciou os participantes, muitos já ganharam milhares de seguidores.

Quanto mais tempo passar na casa, mais seguidores e mais sucesso como influenciador digital, pós BBB.

Super exposição

O grande desafio para os “brothers” é encarar a super exposição de estar confinado, em uma casa, com pessoas desconhecidas. Ter paciência para todas as provas do programa e encarar a vida pós-BBB.

Se a pessoa está disposta a passar por tudo isso e conseguir superar o impacto psicológico dessa super exposição, com certeza é um ótimo negócio.

Mesmo que eu seja muito crítica em relação ao formato do programa, eu entendo perfeitamente porque muitos participam. É uma forma de ganhar muito dinheiro a curto prazo!

O que me chamou a atenção é que vários “brothers” possuem curso superior ou alguma formação acadêmica. Prova que muitos topam para se organizar financeiramente.

Na edição do ano passado do BBB21, o Gil do Vigor, que ficou em segundo lugar, usou parte do dinheiro para financiar a continuação dos seus estudos, como economista, nos Estados Unidos.

Conselhos da para a Rede Globo

Para concluir este longo texto, eu tenho dois conselhos para a Rede Globo:

  • com o dinheiro arrecadado do BBB22, poderia-se finalmente investir em uma programação de qualidade. Anda um verdadeiro desastre! Claro que os tempos mudaram e as novelas e seriados devem ser mais curtos e dinâmicos;
  • O famoso “Globo Play” é muito fraco. Cadê o excelente acervo da Globo? Há coisas incríveis para assistir? Por que não disponibilizar? Com a programação que está, não merece o investimento. E mais ainda para bisbilhotar a vida dos “brothers” do BBB22.

Pelos próximos três meses é só aguardar as baixarias programadas. Quem quer dinheiro aí?

A saga dos testes de PCR em Viena continua

A saga dos testes de Covid19 segue. E olhem que é só começo do inverno, aqui na Europa.

As aulas recomeçaram na segunda-feira, 10 de janeiro. E como obrigatoriedade, por conta da variante Ômicron, as crianças devem apresentar um teste de Covid19 negativo. Mas, por determinação da cidade de Viena, só se pode apresentar testes de PCR. Para saber quais são as diferenças entre os testes, clique aqui.

Quando a gente pensa que está tudo, finalmente resolvido, o resultado do teste PCR, que a minha filha tinha feito no dia anterior simplesmente não apareceu! A minha filha estava muito nervosa, já que ela hoje teria uma prova e sua presença é condicionado com o teste PCR.

Lá tive que eu procurar, mais uma vez, um teste PCR. Para a minha sorte há um posto de testes PCR, ao lado de casa, o que se chama de “Gurgelbox”. Fizemos o teste, sem grandes problemas. Claro! Porque estamos em Viena, há a necessidade se inscrever para tudo, a inscrição para o teste também é obrigatória, o famoso “Anmeldung”.

Ao mesmo tempo, eu tive que escrever um email para a professora e explicar que o teste, no caso, os testes tinha sido feito, mas não havia o resultado. Aí, a professora permitiu que minha filha fosse e assim que algum resultado aparecesse, eu deveria enviar.

Hoje, pela manhã, havia os resultados dos dois testes de Covid19. Eu mandei via email, para a professora, os dois resultados. Parece uma loucura, não é mesmo? Mas, esse é o tempo que vivemos…aliás, o que será o inverno aqui.